Publicado em Deixe um comentário

Qual é a melhor posição para dormir aos seis meses de gestação?

Normalmente durante os primeiros cinco meses de gravidez as futuras mães não têm dificuldade em dormir, pois a barriga ainda é pequena e é relativamente fácil virar-se na cama tanto para o lado esquerdo como para o direito.
No entanto, a partir dos seis meses de gravidez, com alguma frequência, o sono fica comprometido por conta das posições. Recomenda-se dormir sobre o lado esquerdo que é o lado do coração. Essa posição facilita a circulação sanguínea e direciona o sangue para o cordão umbilical do bebé. Isso não representa contudo um sinal de proibição a dormir sobre o lado direito. Mas virar para este lado pode provocar agitação no bebé e, consequentemente desconforto para a mãe.
As almofadas podem ser grandes aliadas nos últimos meses de gestação. Podem ajudar a aliviar azias, congestão nasal e falta de ar posicionando-as na cabeça, no meio das pernas ou abraçando-as junto à barriga.
Publicado em Deixe um comentário

Como a família e os amigos podem ajudar a futura mamã a viver uma gravidez saudável

Ter uma familiar ou uma amiga grávida pode ser um período emocionante, em especial se acompanhar de perto. É também o prelúdio de uma enorme mudança com a chegada do bebé. E, no entanto, provavelmente ninguém quererá abdicar das coisas que sempre foram efetuadas em conjunto.
Além de todas as outras pressões da vida quotidiana, as futuras mães têm muitas coisas em que pensar durante a gravidez- Podem por exemplo querer fazer algumas alterações no seu estilo de vida para cuidar do seu bebé. Se já teve filhos sabe que cada gravidez é diferente e pode ser diferente da sua.
Ajudar a sua amiga, irmã ou filha a ter uma gravidez saudável não tem que ser difícil. E será muito mais fácil para a mulher com a sua ajuda – pode até ter benefícios para si também!
Dicas – coisas que podem fazer em conjunto, enquanto ela está grávida
 
Ajude com as compras
Carregar sacos pesados é especialmente quando já se carrega um bebé! Além disso, será um ótimo treino para os seus braços.
Reduza a quantidade de álcool que bebe
O melhor conselho para as mulheres grávidas é não beber álcool. Se a grávida está habituada a beber consigo, pode ser mais difícil. Por isso junte-se a ela a não beber pois vai ser uma boa ajuda para ela e para si também.
Pare de fumar
Fumar durante a gravidez, ou inalar fumo de forma passiva, pode ser como soprar fumo para a cara do bebé. Por isso se sempre fumaram juntos pode ser o momento perfeito para pararem juntos. Além do enorme beneficio óbvio vai economizar algum dinheiro – que pode usar para celebrar a chegada do bebé!
Caminhe mais
Andar a pé 150 minutos por semana pode ajudar a mãe e o bebé em crescimento a manterem-se saudáveis. Além disso, é uma ótima maneira de ocuparem juntos os tempos livres e de fazer algum exercício também.
Coma mais alimentos saudáveis com ela
A grávida tem vontade de comer coisas que não costuma comer? Se gosta de cozinhar, veja o que podem fazer juntos. Pode mesmo fazer em quantidade e congelar alguns pratos – muito úteis quando chegar o bebê.
Tudo isto pode ajudar a ter um grande começo
Apoiar a sua amiga ou familiar com todas estas coisas, pode não só ajudar a ter uma gravidez saudável e feliz, mas também diminuir o risco de depressão pós-parto.
Publicado em Deixe um comentário

Coisas com que todas as grávidas se preocupam, mas não devem

Como dar a feliz noticia aos amigos
Quer a gravidez tenha sido planeada ou uma completa surpresa, contar a grande notícia aos amigos pode ser intimidante. Mas é quase certo de que vão dar o seu apoio e podem mesmo até já ter adivinhado.
Tarefas e trabalhos do dia-a-dia
Não se pode subestimar o poder do “bebé”. De um momento para o outro limpar a casa ou gravar a série que dá na TV podem tornar-se grandes pesadelos emocionais. Tão depressa a grávida está eufórica como no momento seguinte está tristíssima. Até as mulheres mais tranquilas passarão provavelmente por esta montanha russa de emoções em algum momento. É importante que não se preocupe exageradamente, encare as situações com alguma leveza e responsabilize as hormonas. No entanto, se estiver demasiado preocupada, em especial se sentir que está deprimida procure ajuda profissional.
Pernas inchadas
Muitas mulheres sofrem de retenção de líquidos durante a gravidez, ficando com pés, tornozelos, pernas, mãos e/ou face inchadas. De forma geral é algo completamente normal.
Estrias

Infelizmente é praticamente impossível de as evitar. Deve no entanto, usar um bom creme durante a gravidez para as minimizar e lembrar-se que com o tempo elas se vão desvanecendo e não ficam tão más como lhe parece.
Fazer um plano para o nascimento
Pode fazer um plano detalhado para o nascimento com o tipo de parto que pretende, que tipo de anestesia pretende, qual médico, qual parteira, até que musica gostaria de ouvir. No entanto, terá que ser flexível, o parto pode ser imprevisível e as coisas podem ter que acontecer de forma diferente. Não se preocupe demasiado com isso, o importante é a chegada do bebé.
Não entre em pânico com coisas pequeninas que não valem a pena.
Publicado em Deixe um comentário

Melancolia pós-parto

Sentir-se triste com um bebé acabadinho de chegar
Ter um bebé pode ser tanto emocionante como desgastante. Ele traz muita alegria, mas também pode desafiá-la de formas que nunca esperou. Logo após o parto, muitas mulheres sentem-se mal-humoradas e com vontade de chorar. Pode ser abençoada com um lindo bebé e um parceiro amoroso, e mesmo assim chorar por coisas que normalmente não a incomodariam.
Também pode sentir-se exausta, incapaz de dormir, presa, ou ansiosa. O seu apetite pode aumentar ou diminuir, ou pode sentir-se irritada, nervosa, preocupada em ser uma boa mãe, ou com medo de que a ser mãe nunca irá sentir-se melhor do que agora. Tranquilize-se: Todos esses sentimentos – conhecidos como melancolia pós-parto – são normais durante o primeiro par de semanas após o parto. Na verdade, até 80 por cento das novas mães experimentam-nos.
Causas e tratamento da depressão pós-parto
Após o nascimento, o seu corpo muda rapidamente. Os níveis hormonais caem, o leite vem e os seios podem ficar inchados e doridos, e você pode sentir-se exausta. Estas realidades físicas podem trazer a Melancolia pós-parto.
Os fatores emocionais também contribuem para isso. Pode sentir-se preocupada com o bem-estar do seu bebé, com a transição para a maternidade, ou com o ajustar à nova rotina. As novas responsabilidades podem parecer esmagadoras.
O lado bom é que a Melancolia pós-parto não é uma doença, e vai-se embora por conta própria. Não é necessário qualquer tratamento a não ser de apoio da família e amigos, descanso e tempo. A privação de sono pode piorar os sintomas pelo que deve fazer um esforço para descansar sempre que possível. Alguns minutos apenas podem fazer com que se sinta muito melhor.
Quando alguém que conhece tem Melancolia pós-parto
Parceiros, amigos e parentes: A melhor coisa a fazer é tranquilizar a nova mãe relembrando que muitas mulheres se sentem assim depois do parto. A mãe está exausta, insegura de si mesma, e, se for o primeiro filho, nunca fez nada disso antes. Não é à toa que se sente oprimida!
Basta ouvir, incentivar a chorar se for isso que precisa, relembra-la do maravilhoso trabalho que está a fazer. Procure que o número de visitantes seja o menor possível, anote os seus recados, faça o jantar, ajude a criar uma agenda e a definir prioridades – o que é menos importante e menos urgente pode esperar.
Dê-lhe permissão para cuidar de si mesma, também. Insista para que descanse o máximo possível, e ofereça-se para cuidar do bebé. Acima de tudo, demonstre que está lá para ela para tudo.
 
Melancolia pós-parto ou depressão pós-parto?
As pessoas muitas vezes confundem Melancolia pós-parto com depressão pós-parto, porque têm sintomas comuns. Como se distingue?
Se está nas primeiras duas semanas pós-parto, espere algum transtorno emocional. Mas se continuar a sentir-se desta forma por mais de 2-3 semanas após o parto consulte o seu médico e procure apoio profissional. Se tiver um histórico de depressão, ou tiver histórico de depressão na sua família, ou se os sintomas – como pensamentos ou sentimentos de ansiedade negativos – forem particularmente problemáticos procure ajuda também.